Amor pela música

Aos 12 anos de idade, talvez um pouco antes, meu pai "Mario Zan", contratado da Radio Record, e já fazendo algum sucesso," ensaiava" em casa com vários artistas sertanejos, e eu dependendo do horário (escolar ou não) ficava com ele numa sala grande de nossa casa. Ele fazia os arranjos para diversos artistas SERTANEJOS da época (verdadeira musica sertaneja) Tonico e Tinoco, Luizinho Limeira e Zezinha, Zé do Rancho e Zé Goiano, Goianinho, Cascatinha e Inhana, Duo Brasil Moreno, Irmãs Galvão e muitos outros. Tive a satisfação de conhecê-los e poder participar das gravações dos mesmos, tocando sanfona. Meu pai me levava sempre ao programa da Record, Só para Mullheres, apresenta-do  por Sônia Ribeiro, , onde se apresentavam vários artistas....e também no pro-grama "Só aos Domingos" pela manha , apresentado por Randal Juliano, um programa eclético , sucessão na época , onde também se apresentavam artistas de todos os gêneros. Foi aí que vi pela primeira vez, Demônios da Garoa, Os Titulares do Ritmo, Hebe Camargo, Vagalumes do Luar, Adoniram Barbosa (fazendo) comedia, Mario Senna  etc.

Aprendi a Tocar Sanfona logo cedo, meu pai me ensinou o básico, e depois contratou um professor de musica para me aperfeiçoar, foi muito bom, tanto que em 1954 - no Rio de Janeiro, nos Estúdios da Gravadora Copacaba, comandada pelo querido e inesquecível Paulo Rocco (diretor artístico) gravei 2 discos de 78 rpm- com arranjos do maestro e músico Altamiro Carrillo. Até hoje tenho e guardo com
muito carinho, um exemplar desses 78 rpm, contendo as musicas: Saudades de
Matão e Pinta brava. Já com 16 anos, no mês de outubro de 1956, meu pai fundou a editora musical "Santos Dumont", em sociedade com o grande compositor Messias Garcia, e o ex-gerente da Editora Bandeirantes, Srº José Cirino Leite (com o qual aprendi tudo de editora de musicas, homem de uma capacidade incrível, sério e enérgico - ele foi um verdadeiro professor para mim).

Mario Zan, pelo seu conhecimento, trouxe várias musicas para a Editora, grandes sucessos na época- tais como: BONECA COBIÇADA (palmeira e bolinha) - PERDÃO PARA DOIS (Palmeira) sucesso com Leila Silva - CORAÇÃO DE LUTO (Teixeirinha) gravada por Teixeirinha - CINZAS DO PASSADO (Mario e Cláudio de Barros) gravado por Claudio de Barros -  e tantas outras que fizeram muito
sucesso na época.

Nessa editora dois funcionário eram muito importantes : Nonô Basilio, com o qual tive o prazer de compor em parceria várias músicas e Zito Vieira, da dupla de grande sucesso (IRMÃO VIEIRA) - Zito Vieira e Mariazinha Vieira, que depois veio a ser esposa do Zé do Rancho, na minha opinião o maior tocador de viola do Brasil de
todo os tempos.

Na Editora fiquei até o ano l964, e com a minha saída à administração ficou a
cargo do meu pai Mario Zan e do meu irmão Vanderley Zan.

 Antes porém, fundamos outra Editora - Chamada Carlos Gomes, que também obteve grandes sucessos, principalmente musicas deCarnaval, aí conheci grandes autores da Sbacem, Marino Pinto, Henrique de Almeida, Nilo Silva, Alberto e José Roy, Felisberto Martins, Jair Gonçalves,Zacarias Mourão, Nenete e Dorinho, José Fortuna, Arlindo Pinto, etc.

Deixei a Editora porque estava me formando em Direito, e fui Trabalhar no Depto. Jurídico do IAPTEC (Instituto de aposentadoria dos empregados em transportes de Carga). Fiquei lá um ano, mais ou menos, e acho que fui um dos poucos Brasileiros que pediu  Dispensa do Serviço Publico, justamente por não concordar com a forma de trabalho dos mesmos, ou seja, o desrespeito à população.

Fui trabalhar com discos, não mais com Editora, porque meu pai já havia vendidos asmesmas à Fermata do Brasil. Trabalhei um ano na Gravadora Musidisc (de
propriedade de Nilo Sergio) fiquei lá um ano, e fui trabalhar na sequencia na gravadora Mocambo - dos Irmãos Rozemblit José e Luis e do Srº Kurt Sonderman, meu superior era o Srº Jairo de Almeida Rodrigues, fundador e Diretor da Chantecler (dos  Muniz- Cassio Muniz).

Fui convidado pelo Rubens de Aguiar Bastos (Rubinho)  para trabalhar na RCA Victor, que sempre foi o meu sonho, já que meu pai era artista exclusivo deles, onde gravou seu maior sucesso, a musica IV CENTENÁRIO,  o primeiro disco de 78 rpm que alcançou a vendagem de mais de um milhão de cópias no Brasil. (Fonte: RCA Victor Brasil).

Para entrar na RCA fiquei mais de 15 dias fazendo testes. Fui contratado como Inspetor Geral de Vendas, onde fiquei por quase um ano, ate 1968, em 69 fui
nomeado Gerente das Editoras da RCA Victor), depto. este em que revelamos
grandes autores, como Martinho da Vila, Dom e Ravel, Antonio Marcos, Antonio
Carlos e Jocáfi, Milton Carlos, Izolda, etc. Como Gerente Geral das Editoras nos
nos anos seguintes 1969-70-71- participei de Todos o MIDENS (Mercado
Internacional de Musica) em Cannes, onde divulguei as musicas Brasileiras e
contratei as Internacionais para o Brasil. No ano seguinte, fui nomeado Gerente
Artístico ,continuando entretanto como Gerente das Editoras, aí como artístico
e editor revelamos inúmeros artistas, chequei a ter mais de 20 produtores musicais
de estúdio, e a RCA mantinha um cast a nível Brasil de  aprox. 157 artistas por ano, entre sertanejos, populares, clássicos, MPB, ETC. Durante muitos anos lideramos as principais paradas de sucessos do Brasil e também do exterior, com sucessos de
Altemar Dutra, Antônio Marcos, Antônio Carlos e Jocafi, Samba Soul e tantos outros.  Durante a década de 70 atuando como Diretor Artístico e criativo, e logo após Gerente Geral, fui convidado pelo então presidente da RCA Americana "Gil A.Beltran", com o qual já hávia trabalhado no Brasil,  para ser Diretor Artístico da RCA Americana, em New York, porém não aceitei o convite, e decidi por permanecer no Brasil, junto aos nossos artistas.

Em 1984 saí da RCA e montei a minha própria Gravadora a "BRASIDISC", tendo como sócios 3 dos proprietários da REDE PRODISC - O MAIOR E MAIS COMPLETO GRUPO ATACADISTAS DE DISCOS E COISAS DO GÊNERO NO
Brasil. Fomos o primeiro grupo de atacado e varejo a criar um catálogo de
produtos próprios, o que acabou por se tornar praxe nos hipermercados dos dias
atuais.  Lançamos muitos artistas, autores, produtores, músicos, divulgadores e profissionais, que estão por aí fazendo muito sucesso. Tivemos afalicidadede representar e lançar no Brasil duas das principais gravadoras do mundo, Charly Record´s e Sun Record´s,gravadoras essas que lançaram no mercado mundial nada mais que Beatles e Elvis Presley. Com um catálogo repleto de sucessos disponibilizamos no mercado nacional raridades internacionais, desde Rock a Billy até o Jazz, fui um período muito bom.

Quando chegou o Plano Collor fechamos a Brasidisc, em razão dos problemas financeiros causados por tal plano, depois também veio o Plano Bresser, outro tombo, sem contar o INCÊNDIO de que fomos vitimas.

PASSADO UM TEMPO , abri outra gravadora junto com José H.Naretto , Renato Guimarães, e Geraldo N. da Silva, a ZANBRASIDISC, essa então cresceu rapidamente, mas com a entrada dos CDS PIRATAS, e apesar de termos prevenido o Governo sobre isso, as vendas caíram demais, e encerramos as nossas atividades

Hoje eu dou assessoria artista, jurídica e comercial.
Estou escrevendo um livro e dou palestras sobre a verdadeira história da musica
no Brasil.